Voltar

shutterstock.com

Prefeitura quer vender mercados municipais

Já está na câmara de Londrina, o projeto de lei do prefeito Marcelo Belinati PP (PL 76/2020) que pretende repassar à COHAB-Ld -Companhia de Habitação de Londrina imóveis onde atualmente estão os mercados municipais Guanabara, Kennedy, São Luiz e Shangri-lá.

Com os recursos o município pretende utilizar em projetos de habitação de interesse social - moradias para população de baixa renda.

Depois de muito debate entre os vereadores, o projeto foi retirado de pauta a pedido do líder do executivo Jairo Tamura PL. De acordo com a assessoria de imprensa da câmara "na justificativa do projeto, o que se pretende é sanar uma falha que ocorreu na época de elaboração da referida lei, faltando incluir um lote na relação das áreas onde atualmente se encontra o Mercado Municipal do Parque Guanabara e que foram transferidas à Cohab-Ld". Além disso, o PL autoriza a Cohab-Ld a alienar ou permutar esse e os demais imóveis citados na lei nº 9237/2003

Durante a sessão os vereadores lembraram que o Mercado Shangri-lá, assim como o Guanabara e o Kennedy (Quebec), tem tombamento previsto na lei municipal nº 10.965, de 22 de julho de 2010, embora o procedimento ainda não tenha sido concluído. 

Os parlamentares apontaram a necessidade de que o projeto traga mecanismos que garantam não só a preservação das construções tidas como históricas, mas mantenham as características de negócio do Mercado Shangri-lá, o único dos quatro que ainda funciona como mercado.

O executivo deve apresentar uma emenda a proposta para que a matéria retorne ao plenário.

Fonte: https://tarobanews.com/blogs/politica/prefeitura-quer-vender-mercados-municipais-6dyjR.html

Atualize-se

Para conteúdo útil e atualizado sobre direitos, informações e notícias jurídicas do Brasil e do mundo, acesse www.scalassara.com.br.

Advocacia Scalassara

- advocacia@scalassara.com.br

A Advocacia Scalassara & Associados, enquanto marca, nasceu em 06 de junho de 1994, em razão de desdobramento de escritório anterior, que tivera início em 1982/3, do qual o advogado Carlos Roberto Scalassara era um dos titulares.